3 instrumentos que não podem faltar em uma banda de pagode

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Musica-Mais-3-instrumentos-que-nao-podem-faltar-em-uma-banda-de-pagode

Os instrumentos musicais são os principais responsáveis por conferir identidade e personalidades aos diversos estilos musicais que existem por aí. É fácil notar que os solos de guitarra são característicos do rock, o trompete é a cara do jazz, o violino é marca registrada da música clássica, e o piano comanda o tom do blues. Mas quais são os instrumentos que dão vida a uma banda de pagode?

Além daqueles instrumentos tradicionais que nós já conhecemos, como o violão, baixo e bateria, por exemplo, há ainda alguns instrumentos que não podem faltar para que uma banda de pagode esteja completa e pronta para ganhar os palcos. Confira o nosso post e conheça um poucos mais sobre estes instrumentos.

Pandeiro: item essencial para a banda de pagode

O pandeiro – também conhecido como o instrumento nacional do Brasil – é um instrumento de percussão que tem cerca de 8 a 12″ e, normalmente, consiste em uma pele esticada sobre uma armação redonda. Nessa armação estão platinelas de metal que complementam o som do pandeiro, que pode ser tocado para emitir um som contínuo ou percutido, dependendo da forma que é tocado.

Há também o pandeiro em meia lua – mais conhecido como pandeirola – que é uma variação do pandeiro, com a diferença de não possuir uma pele presa à armação. Ambos são presença marcante no samba, na banda de pagode e também na música popular brasileira em geral.

Cavaquinho: instrumento de origem portuguesa mas com cara de Brasil

O instrumento, que tem sua origem em Portugal, lembra um pouco um violão em miniatura, mas suas quatro cordas – que podem ser feitas de tripa ou metal -, seus doze trastos e sua afinação própria conferem ao cavaquinho uma sonoridade única e inigualável. Apesar de se parecerem, o cavaquinho não deve ser confundido com o Ukulele, instrumento havaiano que tem uma sonoridade bastante diferente.

Muito usado no chorinho brasileiro, o cavaquinho ganhou espaço em banda de pagode a partir da década de 80, quando o gênero começou a ganhar espaço no Brasil e aprimorar a sua sonoridade com o passar dos anos. Conforme o gênero muda e evolui, a forma de tocar cavaquinho também muda, o que exige do músico bastante conhecimento, prática e mente aberta.

Surdo: criação brasileira

Outro instrumento de percussão indispensável em uma banda de pagode, o surdo consiste em uma caixa cilíndrica – de madeira ou metal – com uma pele esticada e fixada em um de seus lados, e que produz um som bastante grave. Seu objetivo no arranjo instrumental do pagode é ditar o ritmo da música e marcar o tempo, auxiliando os demais músicos em sua performance.

O surdo é uma criação praticamente brasileira e tem sua origem na década de 20, quando as escolas de samba começaram a surgir e cair no gosto da população. Juntamente com a cuíca, tamborim e o pandeiro, o surdo passou a ser parte integrante da música popular brasileira e está presente em não apenas bandas de pagode, mas de samba, reggae, e até bandas militares.

Você já pensou em montar uma banda de pagode? Quais os instrumentos você acha que são indispensáveis para quem está começando? Compartilhe sua experiência conosco nos comentários.

 

Comentários no Facebook

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×